Tempo de Leitura: 3 minutos

Este artigo foi publicado no site Papo De Mãe, para ver seu conteúdo original, clique AQUI.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a infertilidade afeta de 50 a 80 milhões de pessoas no mundo, sendo considerado um problema para cerca de 15% dos casais.  A dificuldade por estar no homem, na mulher ou em ambos. O casal é considerado infértil depois de um ano de tentativas de engravidar. Saiba mais sobre a infertilidade masculina.

Informações: Grupo La Torre – Edição: Clarissa Meyer – Portal Papo de Mãe

No caso do homem, a infertilidade pode ter uma ou várias causas. “O homem pode apresentar uma deficiência tanto na qualidade, quanto na quantidade de espermatozoides. Este fator está presente em 30 a 40% dos casos de infertilidade” explica a ginecologista e especialista em reprodução humana, Dra. Adriana de Góes.

A médica orienta que, num primeiro momento, é necessário analisar a qualidade dos espermatozoides por meio do espermograma, além do exame físico da bolsa testicular. “Fazemos uma análise envolvendo parâmetros como cor, volume, quantidade, movimentação e forma dos espermatozoides. Já no exame físico, analisamos se o paciente possui a varicocele, por exemplo, que é um conjunto de veias dilatadas na região do testículo, que aumenta a temperatura na região e dificulta a produção de espermatozoides e a obstrução do canal por onde ele passa”.

De acordo com a médica, “a infertilidade pode ter causas imunológicas como a produção de anticorpos que alteram a quantidade e qualidade desses espermatozoides; fatores ambientais como, por exemplo, radioterapia, hábitos de vida pouco saudáveis, estresse, hormônios na alimentação, uso de anabolizantes e medicamentos; além de causas genéticas e hormonais”.

impacto da idade do homem na fertilidade também tem sido objeto de estudo. “Assim como a idade materna, quanto maior a idade do pai, maior é a chance de ocorrer alteração na produção e na qualidade dos espermatozoides, trazendo consequências como dificuldade na formação do embrião, risco de perdas precoces na gestação e maior risco de síndromes genéticas”, ressalta.

A boa notícia é que existem tratamentos eficientes para maior parte dos casos de infertilidade. “Tanto o homem quanto a mulher devem estar dispostos a investigar de onde vem a infertilidade. Eles devem fazer todos os exames e, descobrindo a causa, iniciar o tratamento. O apoio da família e a união do casal é fundamental para o sucesso do tratamento”, finaliza.

*Dra Adriana de Góes é ginecologista e obstetra, mestre e doutora pela UNICAMP e professora na pós-graduação de reprodução humana do Instituto Sapientiae.

Quando optar pelo congelamento de sêmen

Dr. Conrado Alvarenga**, urologista

O atendimento do casal infértil, mais especificamente do homem com infertilidade, nos leva, dependendo do caso, a propor e auxiliar o congelamento do sêmen.

O congelamento seminal na sociedade brasileira ainda é revestido de inúmeros tabus e dúvidas: desde a confiabilidade do armazenamento das amostras até com relação ao risco de serem utilizadas sem o consentimento do casal ou os problemas que esporadicamente surgem quando o casal não apresenta mais interesse nas amostras estocadas.

Hoje em dia, já temos no país centros que congelam sêmen com técnicas mundialmente padronizadas, seguras e com resultados pós-descongelamento totalmente dentro dos parâmetros aceitáveis.

Indicamos o congelamento para homens com concentrações seminais abaixo de 5 milhões/mL, denominados oligospérmicos graves; homens que serão submetidos a tratamentos quimioterápicos ou radioterápicos;  e, em alguns casos, em homens que farão vasectomia e têm interesse em manter amostras congeladas, mesmo sabendo que a vasectomia é reversível.

A grande maioria das vezes é para preservação da fertilidade masculina previamente a tratamentos oncológicos complexos. Ainda hoje há tentativa nítida de conscientização da comunidade médica em sempre abordar o assunto antes do início do tratamento, principalmente em adolescentes e adultos jovens.

Congelar o sêmen pode evitar situações extremamente tristes e desconfortáveis:  a cura da doença de base mas o surgimento de infertilidade definitiva por lesão testicular irreversível durante o tratamento.

**Dr. Conrado Alvarenga é urologista, membro da Divisão de Urologia da USP. Participou como especialista convidado do Papo de Mãe sobre Infertilidade Masculina, exibido em 03.11.2013.