Tempo de Leitura: 3 minutos

Você sonha em ter filhos, já fez todos os exames de fertilidade, descobriu que não tem nenhum problema e ainda assim não consegue engravidar? Você cogitou a possibilidade de que o problema pode ser o seu parceiro? Já ouviu falar sobre espermograma e teste de fragmentação do DNA espermático?

Pois é, contrariando o que muitos ainda pensam, a infertilidade não é uma condição exclusiva das mulheres. Estudos indicam que 1/3 dos episódios de infertilidade são relacionados somente aos homens. Portanto, o mito de que a infertilidade é um problema que acomete apenas as mulheres é totalmente falso.

Quer entender um pouco melhor sobre esses dois métodos para avaliar a qualidade do esperma do seu parceiro? Então, continue a leitura.

O que é o espermograma?

O espermograma nada mais é do que um exame que avalia as características morfológicas do sêmen e do esperma ali contido. Essa análise do sêmen ajuda a diagnosticar possíveis disfunções da espermatogênese — termo médico para o processo de formação dos espermatozoides.

Para a realização do espermograma, exige-se abstinência do ato sexual ou masturbação por um período de dois a três dias. A melhor forma para o recolhimento da amostra de sêmen é por meio da masturbação, de preferência na própria clínica.

Após a coleta, o material deve ser encaminhado ao laboratório em, no máximo, 1 hora para que a análise da capacidade de locomoção (motilidade) e da progressão anterógrada dos espermatozoides não seja prejudicada.

Em que casos o espermograma deve ser feito?

O espermograma é um exame recomendado basicamente para os casos de infertilidade conjugal ou para os homens que já suspeitam da sua infertilidade. A infertilidade conjugal se caracteriza quando um casal não consegue ter filhos mesmo depois de um ano de relações sexuais frequentes e sem o uso de métodos contraceptivos.

Seja qual for o caso, a análise do sêmen visa encontrar os problemas que interferem na fertilidade do homem.

O que o espermograma é capaz de detectar?

O espermograma é capaz de detectar as características que indicam a fertilidade ou a infertilidade masculina. Diversos fatores são analisados, que incluem:

  • Formato do espermatozoide;
  • Movimentação dos espermatozoides;
  • Acidez do material recolhido (pH);
  • Volume (quantidade de espermatozoides em relação ao sêmen produzido na ejaculação);
  • Liquefação (tempo que o material coletado leva para se tornar menos consistente);
  • Contagem do esperma;
  • Aparência e coloração.

Como funciona o teste de fragmentação do DNA espermático?

O teste de fragmentação do DNA espermático é fundamental para o diagnóstico da infertilidade e deve ser realizado como um complemento ao espermograma. O exame visa contabilizar a porcentagem de espermatozoides que experimentaram a fragmentação.

Quanto maior a porcentagem de fragmentos de DNA no sêmen, maior será a taxa de infertilidade. Os fatores que motivam a fragmentação do material genético dos espermatozoides podem ser vários, incluindo:

  • Tabagismo;
  • Uso de drogas;
  • Poluição;
  • Idade avançada;
  • Estresse oxidativo;
  • Dietas;
  • Infecções.

Desse modo, mesmo os indivíduos com um espermograma normal podem apresentar altos níveis de fragmentação do DNA espermático. Vale ressaltar também que uma gravidez originada de um espermatozoide fragmentado pode resultar em problemas do desenvolvimento do bebê, levando geralmente a um aborto espontâneo.

E, por fim, o espermograma e o teste de fragmentação do DNA espermático devem ser realizados como parte dos exames de fertilidade conjugal. Esqueça a ideia de que a infertilidade é um problema que acomete somente as mulheres. Como já mencionamos, a infertilidade masculina é responsável por 1/3 dos casos de infertilidade do casal.

E aí? Esse artigo foi útil para você? Tem mais alguma dúvida sobre o espermograma e o teste de fragmentação do DNA espermático? Entre em contato com nossa equipe de especialistas e conheça nossos tratamentos.