Tempo de Leitura: 5 minutos

Adiar a gestação tem sido cada vez mais comum em nossa sociedade, as mulheres esperam a estabilidade financeira e emocional para ter filhos. Entretanto, o impacto da idade sob a fertilidade feminina é mais perceptível a partir dos 35 anos, tornando mais difícil a realização do sonho de gerar uma vida.

Para você que tem entre 30 a 35 anos, deixamos aqui cinco dicas para preservar a saúde, e com isso, resguardar a fertilidade para uma gestação futura. Confira!

1. Cultive bons hábitos de vida

Para preservar a fertilidade, esteja atenta aos três pilares de uma vida saudável: alimentação, atividade física e qualidade de sono.

Alimentação balanceada

Uma alimentação balanceada é fundamental para a saúde e controle de peso. Evite dietas ricas em gorduras trans, excesso de carboidratos e em alimentos processados, pois interferem na qualidade dos óvulos.

A preocupação com o peso, não se deve aos padrões de beleza, mas por riscos cardíacos, e também, a fertilidade, tanto a obesidade, quanto o baixo peso, podem influenciar de forma negativa a reprodução humana.

A obesidade, por exemplo, está relacionada a distúrbios ovulatórios, qualidade dos óvulos, e podem resultar em menores chances de gravidez. Por outro lado, dietas muito restritivas e distúrbios alimentares, como a anorexia, também geram alterações hormonais que podem cessar os ciclos ovulatórios.

Atividade física

Assim como a alimentação, ao praticar atividade física também deve-se evitar os extremos. Tanto o sedentarismo, quanto o excesso de exercícios pode prejudicar a função hormonal e a qualidade ocitária.

Atividades físicas extenuantes podem aumentar o estresse oxidativo no organismo, que pode piorar a qualidade dos gametas, tanto óvulos quanto espermatozóides. Podem causar amenorréia (ausência de menstruação) e, nos homens, alterações nos parâmetros espermáticos, e aumento da fragmentação de DNA.

Qualidade do sono

Outro fator importante é a qualidade do sono, regulada pela melatonina — um potente agente antioxidante importante para preservar a fertilidade, pois interfere na qualidade dos óvulos. Em alguns casos, pode ser necessário fazer a suplementação de melatonina no líquido folicular.

Esses três pilares são fundamentais para preservar a fertilidade. Quando você tem maus hábitos pode haver uma queda mais acentuada da reserva ovariana, além do já observado em relação à idade. Também piora casos que a paciente já tem alguma doença de base, como Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP), endometriose e baixa reserva ovariana.

2. Amenize o estresse

O estresse excessivo pode ocasionar alterações no eixo hormonal relacionadas às alterações no ciclo menstrual, como atrasos e até a ausência dos ciclos menstruais (amenorréia).

Para controlá-lo, você pode praticar meditação, que além de reduzir o estresse físico e mental, também contribui para controlar a ansiedade e melhorar a qualidade do sono. Atualmente, há diversos aplicativos que ajudam na prática, como o Medite-se, Insight Timer e Synctuition.

Vale ainda associar a meditação a um processo de auto-conhecimento e definição de seus próprios limites, entrar em contato com a natureza, ler mais, ouvir músicas que tranquilizam, conversar sobre situações estressantes com pessoas de confiança e se reunir com familiares e amigos. Nesse momento de isolamento social, chamadas de voz e vídeo são excelentes alternativas para encurtar a distância.

3. Tenha uma vida sexual saudável

Na busca pela preservação da fertilidade, você deve se prevenir contra infecções sexualmente transmissíveis (IST). Essas infecções, como a clamídia, gonorréia e sífilis podem gerar problemas tubários e infecção no epidídimo, que pode causar alterações espermáticas.

As ISTs mais graves, como o HIV, nas mulheres podem resultar em risco maior de baixa reserva ovariana. É interessante avaliar a reserva ovariana deste grupo de mulheres.

Por isso, sempre use preservativos em relações ocasionais, não monogâmicas e mantenha seus exames em dia. Caso você, ou seu parceiro, apresente qualquer sintoma, procure um médico imediatamente.

Sintomas na mulher que podem sugerir alguma IST:

  • corrimento vaginal diferente do habitual;
  • alteração na cor, cheiro e textura das secreções vaginais;
  • febre;
  • dor pélvica;
  • feridas no órgão genital;
  • dor durante a relação sexual.

Sintomas no homem que podem sugerir alguma IST:

  • dor, coceira ou vermelhidão no pênis e na região escrotal;
  • dor durante a relação sexual;
  • feridas no órgão genital;
  • dificuldades ao urinar;
  • saída de secreção purulenta no pênis.

4. Consulte regularmente o ginecologista

Consulte o ginecologista uma vez por ano para avaliar a saúde pélvica, verificar se existe alguma infecção, conseguir realizar diagnósticos precoces e tratamentos. Para mulheres acima de 30 anos também é importante a avaliar a reserva ovariana anualmente.

Além disso, mulheres com problemas já conhecidos, como endometriose, distúrbios menstruais ou casos de menopausa precoce na família, é recomendado a realização de avaliação de fertilidade frequente.

Se você já tem 35 anos, ou mais, e a gestação não faz parte de seus planos atuais, consulte seu ginecologista, faça uma avaliação de sua reserva ovariana.

5. Preserve sua fertilidade com o congelamento de óvulos

Saiba que uma boa alternativa para preservar a fertilidade é o congelamento de óvulos. Esse tratamento permite preservar a qualidade dos óvulos, em condições semelhantes à idade da coleta, reduzindo riscos de aborto, de alterações genéticas que aumentam com a idade, e até as chances de gravidez que você teria em uma Fertilização in Vitro se realizada com a idade em que você realizou o congelamento.

Indicamos a preservação para:

  • mulheres acima dos 35 anos que desejam postergar a maternidade;
  • mulheres com endometriose, que passaram por cirurgias,
  • mulheres que já sabem ter reserva ovariana mais baixa. pacientes que serão submetidas a tratamentos oncológicos, como radioterapia e quimioterapia, ou farão uso de medicação imunorreguladora;
  • pacientes com alterações genéticas no cariótipo ou Síndrome de Turner.
  • pacientes com doenças autoimunes ou infecciosas crônicas.

Gostou das dicas? Para saber mais sobre o congelamento de óvulos para preservar a fertilidade feminina, acesse o site da VidaBemVinda!