Tempo de Leitura: 3 minutos

Você sabe o que é endometriose? A doença atinge cerca de 10% das mulheres brasileiras e está presente em 40 a 50% dos casos de infertilidade. Portanto, compreender mais sobre o assunto te ajudará a identificar se é hora de buscar ajuda médica.

Continue a leitura do artigo e conheça os sintomas da doença, as estratégias de tratamento e a ligação com a dificuldade de engravidar.

O que é endometriose e quais os sintomas da doença?

A endometriose é caracterizada pela presença de endométrio fora do útero. O endométrio é a camada que reveste internamente o útero.

Esse tecido pode crescer em outros órgãos pélvicos, abdominais e até em locais mais distantes, como pulmões e cérebro. Entretanto, costumam se desenvolver nos ovários, tubas uterinas, intestino, ureteres, bexiga, entre outros.

Geralmente, as mulheres que sofrem com essa doença apresentam diversos sintomas, como:

  • cólica menstrual intensa;
  • dor pélvica crônica fora do período menstrual;
  • dores durante a relação sexual (principalmente na penetração profunda);
  • inchaço abdominal;
  • problemas intestinais cíclicos durante a menstruação, como intestino preso e dor ao evacuar;
  • alterações urinárias cíclicas;
  • infertilidade.

Se você tem algum desses sintomas, é importante conversar com seu ginecologista para realizar o diagnóstico, por meio de consulta detalhada, exames clínicos e laboratoriais, e iniciar um tratamento, se for o caso.

Endometriose e a relação com a infertilidade

Agora que já sabe o que é endometriose e como a doença afeta o organismo, fica mais fácil compreender a relação da doença com a infertilidade.

Na verdade, as mulheres podem engravidar mesmo com endometriose. Entretanto, a doença é cinco vezes mais frequente nas pacientes com dificuldades de engravidar. Isso ocorre porque ela altera o aparelho reprodutor feminino e dificulta a ovulação, a fecundação dos óvulos pelos espermatozóides e até a formação do embrião.

A endometriose pode ainda tornar mais difícil a implantação do embrião no útero, causar inflamação do líquido peritoneal e distorcer a anatomia da pelve, levando à uma maior dificuldade de engravidar.

Tratamento

Para as mulheres que têm endometriose e não pensam em engravidar no momento, é possível combater os focos da doença e reduzir os sintomas, bem como melhorar a fertilidade. Há dois principais métodos de tratamento, dependendo da gravidade do caso:

  • clínico — realizado por meio de analgésicos, anti-inflamatórios e medicamentos que bloqueiam a ovulação para diminuir a inflamação e inibir o crescimento da doença;
  • cirúrgico — uma cirurgia para a remoção dos focos de endometriose, pela técnica de excisão, de preferência por cirurgia minimamente invasiva (laparoscopia ou robótica).

Para combater a doença, também é importante levar um estilo de vida saudável, seguir uma alimentação densa em nutrientes — evitando alimentos processados e industrializados —, praticar atividades físicas regulares e ter um sono consistente (de sete a oito horas por noite).

Já para as mulheres que sofrem de endometriose e desejam se tornar mães, existem tratamentos de reprodução assistida, como inseminação intrauterina e fertilização in vitro, além de procedimentos cirúrgicos.

As primeiras opções tratam a infertilidade (ou seja, a consequência da doença). Já a cirurgia visa o tratamento da endometriose (a causa).

Vale destacar que nem toda paciente com endometriose sentirá dor, sofrerá de infertilidade ou precisará de tratamento para engravidar. Entretanto, todas as pacientes com dor pélvica e outros sintomas precisam passar com um médico para ser avaliada com cuidado e fazer exames, quando necessário.

Gostou de descobrir o que é endometriose e sua ligação e conhecer mais sobre a doença? Aproveite para conferir outros artigos no blog da VidaBemVinda!