CGH-array

Atualmente é possível diagnosticarmos alterações genéticas e cromossômicas nos embriões, antes de transferirmos ao útero da mãe, conhecido como Diagnóstico Genético Pré-Implantacional (PGD, preimplantation genetic diagnosis). Este procedimento é feito com a análise de células do embrião e, portanto, devem ser feitas durante a Fertilização in vitro, quando os embriões estão dentro do laboratório de Reprodução Humana.

As técnicas evoluíram na última década e conseguimos hoje detectar alterações de número de cromossomos (aneuploidias) e desbalanços genéticos (translocações, por exemplo). O PGD é indicado para casais com risco aumentado de problemas genéticos ou com doenças genéticas conhecidas, como translocações e doenças monogênicas.

O CGH-array é uma técnica de avaliação dos 24 cromossomos do corpo humano, feito por Hibridização Genômica Comparativa. Basicamente, o material genético extraído das células do embrião é comparado com o material “padrão”, normal. O teste é capaz de diagnosticar aneuploidias como trissomias (três cópias de um cromossomo; ex.: Síndromes de Edwards, Patau e Down), monossomias (apenas uma cópia de um cromossomo) e translocações não-balanceadas. Como todos os cromossomos são analisados, o sexo também é determinado, importante para doenças ligadas ao cromossomo X.

CGH-array

Como é o processo?

 

  1. Fertilização in vitro (FIV): após a fertilização dos óvulos, os embriões se desenvolvem na incubadora ao longo de 6 dias.
  2. Biópsia embrionária: no terceiro dia de vida embrionária, quando o embrião tem cerca de 8 células, é realizado um pequeno tiro de LASER na zona pelúcida (camada proteica externa), de forma que quando o embrião se desenvolve até o quinto dia (blastocisto, com mais de 100 células), algumas se exteriorizam pelo pequeno orifício, sendo feita a biópsia.
  3. Análise genética: essas células são enviadas ao laboratório de genética, que faz a leitura e emite o laudo de cada embrião. Atualmente realizamos a biópsia exclusivamente de blastocistos (D5), já que os estudos comprovam que a biópsia em D3 (terceiro dia) tem maiores riscos e erros.

Biópsia embrionária

Dispomos de laboratórios parceiros que emitem os resultados em até 24 horas após a biópsia, permitindo a transferência dos embriões a fresco.

Custos VidaBemVinda