Tempo de Leitura: 8 minutos

Quatorze dias que podem significar a realização do sonho de uma vida. Esse período antecede o teste de gravidez para pessoas que se submeteram a um tratamento de infertilidade e pode propiciar algumas emoções extremas, como alegria, medo, tristeza, esperança,  ansiedade.

Afinal, estamos falando sobre um sonho de ter um bebê e começar (ou aumentar) uma família. Pensando nisso, separamos algumas dúvidas muito comuns para nós que lidamos  com infertilidade e que podem surgir nesse período.

O objetivo aqui é que o processo seja o mais tranquilo possível para você! Por isso, selecionamos algumas perguntas e respostas sobre as questões mais comuns nessa fase.

O QUE É O PERÍODO DE DUAS SEMANAS?

É o período do final do ciclo de tratamento até a realização do exame de sangue beta hCG quantitativo, que determina se houve implantação do embrião no útero. Após a nidação do embrião no endométrio (camada mais interna do útero), as células do trofoblasto (que formarão o bebê e placenta) produzem o hormônio hCG (gonadotrofina coriônica humana) em quantidades suficientes para serem detectadas pelo exame. Conhecido como o hormônio da gravidez, o hCG fornece quase 100% de chances de acerto, possuindo uma acurácia extremamente alta. Vale ressaltar que solicitamos o beta hCG quantitativo, exame que determina os valores em números, sendo importante para avaliar se os valores sobem em 48 horas. O beta hCG qualitativo não é o ideal, pois mostra apenas se está positivo ou negativo.

Vale lembrar que para o tratamento de inseminação artificial, o teste de gravidez é feito duas semanas após o procedimento. Para a fertilização in vitro, o teste deve ser feito duas semanas após a coleta de óvulos, ou nove a onze dias após a transferência embrionária, dependendo do dia (D3 ou D5) em que foi feita a transferência. O mesmo vale para os tratamentos com embriões congelados: nove a onze dias após a transferência, dependendo do dia de desenvolvimento embrionário.

POSSO UTILIZAR TESTES DE FARMÁCIA DURANTE O PERÍODO ?

Recomendamos às pacientes não fazerem testes de farmácia (fitas de urina) no período de duas semanas, pois estes exames podem errar, sendo indispensável o exame de sangue.

O chamado “falso positivo” pode ocorrer, já que o hormônio hCG é também usado no tratamento de infertilidade para estimular a ovulação, e pode portanto ser detectado na corrente sanguínea da mulher, indicando o resultado positivo, mesmo não havendo a implantação do óvulo. Isso ocorre quando se faz o exame muito antes da data indicada pelo médico, pois o teste acaba detectando o hCG usado na estimulação ovariana: na verdade é o medicamento, e não o embrião se implantando no útero. O “falso negativo” ocorre quando o teste é realizado poucos dias antes da data prevista, e os níveis de hCG ainda são baixos para serem detectados pela urina. O exame de sangue é bem mais sensível e preciso, e é por isso que deve-se esperar o tempo correto, afim de evitar frustrações.

O QUE ACONTECE COM O MEU CORPO DURANTE AS DUAS SEMANAS DE ESPERA?

Durante o período, você pode sentir como se estivesse prestes à menstruar. Seu corpo recebeu muitos medicamentos para promover o estado ideal para a gravidez, e podem ocorrer cólicas, inchaço abdominal, fadiga e inchaço das mamas (“seios”). Pequenos sangramentos ou manchas avermelhadas podem ocorrer. Tais sintomas podem causar preocupação, mas eles são comuns e não confirmam se a paciente está ou não grávida.

É importante ressaltar que, se os sintomas incluírem inchaço excessivo, dores fortes no abdome e falta de ar, pode ser o caso de síndrome de hiperestimulação ovariana, o que deve ser avaliado prontamente pelo médico especialista.

DEVO TOMAR MEDICAÇÕES NESSE PERÍODO?

Sim, a maioria das pacientes deve continuar com a administração de progesterona (Crinone®, Utrogestan®, Evocanil® etc) para garantir um bom suporte de fase lútea. Também é comum usarmos estradiol por via oral (Natifa®, Primogyna®, Estrell® etc) ou transdérmica (Estradot® ou gel de estradiol). É importante não deixar de tomar as medicações para garantir o ambiente uterino adequado e uma boa receptividade endometrial.

POSSO TER ATIVIDADES NORMAIS NO PERÍODO?

Após a transferência de embrião na FIV, recomendamos repouso relativo nos dois primeiros dias. Pode andar, ir ao banheiro, sentar, sem problemas. Existem estudos que evidenciaram que o repouso não melhora a taxa de gravidez, mas achamos importante para que a paciente fique em harmonia e não se sinta culpada por fazer atividades nesse dois primeiros dias. Esse repouso é também para a mente, afinal, é a última etapa do tratamento e é normal estarmos ansiosos nessa fase. O repouso cai muito bem! A vida segue normal após esse dois dias, mas a paciente deve evitar atividades físicas e relações sexuais, prevenindo a contração uterina que pode prejudicar a implantação.

DEVO MODIFICAR MINHA ALIMENTAÇÃO NESSE PERÍODO?

Não há obrigações quanto à dieta, mas recomendamos seguir uma alimentação adequada, considerando a possibilidade da gravidez. Alimentação saudável e equilibrada, evitando cafeína e álcool.

POSSO VIAJAR NESSE PERÍODO?

É seguro para a paciente estar perto da sua equipe médica, caso ocorra algum sangramento ou dor. O esforço de viagens com transporte, bagagem e fadiga podem deixar uma sensação negativa à paciente. Esteja perto da sua clínica para rápido atendimento, caso precise.

QUAIS NÍVEIS DE BETA hCG SÃO BONS?

Níveis acima de 5 UI/L (ou mUI/mL) indicam que houve implantação embrionária.

Uma taxa acima de 100 UI/L é um excelente resultado, mas muitas gestações ocorrem mesmo com níveis mais baixos. Não existem níveis ideais. O mais importante é o seguimento dos níveis de beta hCG. Números elevados não são sinônimos de gestações múltiplas: somente o ultrassom permite a confirmação. Um novo beta hCG deve ser realizado 48 horas após o primeiro resultado positivo para verificar se os níveis de hCG continuam subindo, e se tudo correr bem, os níveis irão aumentar em pelo menos 60% entre um exame e outro.

Após 2 semanas do teste positivo, um ultrassom será realizado para confirmar a gestação dentro do útero e se houve um crescimento adequado. Em caso positivo, a paciente será encaminhada para um obstetra e continuar com os cuidados pré-natais.

E SE MEU BETA hCG NÃO SUBIR?

Quando o teste vem positivo mas não sobe adequadamente, precisamos sempre acompanhar para descartar hipóteses de gravidez ectópica, quando o embrião se implanta fora da cavidade uterina. Quando o beta hCG regride, na imensa maioria das vezes é um sinal de que não vai evoluir, como num abortamento muito precoce. É a chamada gestação química, quando detectamos a gravidez apenas por exame de sangue, mas não vemos imagem no ultrassom.

EM CASO DE GRAVIDEZ, COMO ESTABELECER O TEMPO DA GESTAÇÃO?

Tão logo a gravidez é confirmada, determinamos a data da última menstruação de acordo com a data da ovulação (nos tratamentos de coito programado e inseminação artificial) ou da coleta de óvulos (para a fertilização in vitro). Subtraímos 14 dias destas datas para chegar à suposta data da última menstruação calculada. Assim, a data calculada pode não ser exatamente a mesma data da última menstruação verdadeira da paciente, aquela antes de começar o tratamento. Isso ocorre pois nos tratamentos de reprodução assistida utilizamos hormônios para manipular o ciclo menstrual, criando um ciclo diferente do habitual da paciente. Com a data da última menstruação calculada, podemos determinar a idade gestacional, que é sempre maior que a idade embrionária. É comum vermos as  pacientes calculando a idade do embrião e não da gestação.

EM CASO DE EU NÃO ESTAR GRÁVIDA, QUAIS SÃO OS PRÓXIMOS PASSOS?

Em caso de insucesso, aconselhamos parar de usar os medicamentos hormonais, mantendo apenas as vitaminas. Neste momento é muito importante ter uma  uma conversa com o seu médico especialista, para rever os procedimentos realizados no ciclo, e planejar os próximos passos. Essa etapa é fundamental para desenvolvermos planos para aumentar a chance de sucesso num próximo tratamento.

APÓS QUANTO TEMPO POSSO TENTAR UM NOVO CICLO?

O médico irá determinar se há necessidade de descanso entre ciclos. Em muitos casos um novo ciclo poderá ser iniciado imediatamente após a menstruação.

Sabemos que essas duas semanas podem ser um período de estresse e preocupações. Temos sugestões de leitura e filmes para ajudar a passar pelo processo, assim como o suporte e depoimentos de mulheres que já passaram pelo tratamento.

Esse importante tempo de espera deve ser vivenciado da melhor forma possível, com muita calma, e com a convicção de que o melhor foi feito para aumentar as chances de sucesso.

Esse período de espera pode ser estressante e cheio de preocupações para a mulher, bem como para seu parceiro. Um dos sentimentos mais comuns é a ansiedade oriunda principalmente de terceiros. Todo casal já ouviu todo tipo de conselho para que a gravidez se concretize, e com tantas dicas é possível ficar ainda mais ansioso. Mas esse sentimento não afeta e não diminui as chances de gravidez, sendo apenas uma recomendação baseada no senso comum para “relaxar” e “desencanar”.

As duas semanas de espera devem ser vivenciada da melhor forma possível, e isso significa estar aberto a todas as barreiras e com convicção de que o melhor foi feito para garantir o sonho da concepção.  Em caso de dúvida, não deixe de consultar o seu médico, a melhor maneira de combater a ansiedade é com informação.