Tempo de Leitura: 2 minutos

Você sabia que por meio do teste de compatibilidade genética é possível detectar o risco de transmissão de doenças genéticas hereditárias dos futuros pais para o bebê? Esse exame é realizado antes da concepção e compara os genes do casal.

Mas, será que esse teste é indicado para todos? Como proceder caso ambos os pais sejam positivos? Descubra no artigo!

O que é o teste de compatibilidade genética?

O teste de compatibilidade genética avalia alterações nos genes que a mulher ou o homem podem carregar. Esses genes, na imensa maioria das vezes, não traz manifestações para os pais No entanto, se ambos passarem ao seu filho, ele poderá ter a doença.

Lembra das aulas de Biologia da época da escola? Esta é a situação na qual a mãe e o pai são “Aa”. Ou seja, o filho tem 25% de chance de ser “aa” e desenvolver alguma doença grave.

É importante ressaltar que o teste não avalia a compatibilidade do casal do ponto de vista de fertilidade. Muitos casais inférteis acreditam que a dificuldade esteja vinculada a uma falta de compatibilidade entre eles. Apesar dessa situação realmente poder existir, não é essa questão que o teste avalia.

Como é feito o CGT?

Para fazer o teste de compatibilidade genética, é realizada a coleta de uma amostra de sangue dos futuros pais e levada para análise.

Existem testes mais completos e modernos capazes de identificar até 600 doenças de uma vez só. Também há opções que analisam apenas as doenças mais frequentes. Algumas das enfermidades que podem ser detectadas são fibrose cística, retinose pigmentar, doenças musculares, dentre outras.

Como são alterações genéticas raras, a maioria dos casais não vai ser incompatível geneticamente.

Afinal, todo casal deve realizar esse teste?

Atualmente, não há indicação técnica para que todos os casais que desejam ter filhos façam algum teste de compatibilidade genética.

Esse estudo é recomendado apenas para quem tem histórico familiar de doença genética ou para casais consanguíneos, ou seja, que têm ao menos um ancestral em comum, como pessoas que se casaram com primos de primeiro grau.

O que fazer se for detectada incompatibilidade genética?

Se houver compatibilidade, a solução é realizar um tratamento de fertilização in vitro com formação do embrião em laboratório, biópsia de embrião e análise deste gene no embrião. Caso seja detectado este gene em homozigose (“aa”), o embrião não será transferido.

Outra alternativa é recorrer à doação de gametas femininos ou masculinos para evitar essas doenças.

Agora que você já sabe como funciona o teste de compatibilidade genética, aproveite para conferir outros artigos de saúde, fertilidade e tratamentos de reprodução assistida no blog da VidaBemVinda.