Tempo de Leitura: 4 minutos

No tratamento de fertilização in vitro (FIV), todas as fases são cruciais para a conquista de um resultado feliz, desde a estimulação da ovulação até a escolha dos embriões. E você sabia que há uma ligação entre a qualidade dos embriões e o resultado da FIV? Eles são analisados e classificados antes de serem transferidos para cavidade uterina.

Quer saber mais sobre o assunto? Acompanhe o artigo!

Como é feita a escolha de embriões na fertilização in vitro?

No tratamento de fertilização in vitro, após a estimulação dos ovários e a captação dos óvulos, fazemos união dos óvulos com os espermatozoides no laboratório.

Durante cinco a seis dias dias, o embrião fica em cultura em incubadoras, sob cuidado rigoroso. Nesse período, ele sairá do estágio em que tem apenas uma célula, para o estágio que terá entre 100 e 200 células, quando nós o chamamos de blastocisto.

Durante esta jornada do embrião no laboratório, ele é analisado em determinados momentos. Essa análise é feita por microscopia e traz informações valiosas sobre as chances de gravidez que nós teremos com cada embrião.

Após a comprovação da fertilização, um dia depois das coleta, o segundo momento de análise é realizado no terceiro dia após a coleta dos óvulos, que nós chamamos de D3. Nesse dia, o ideal é que o embrião tenha de seis a dez células, além de poucos fragmentos de citoplasma soltos, conhecido como fragmentação.

O embrião ideal deve ter oito células e não apresentar fragmentação (chamamos de 8A). Se tiver um pouco de fragmentação, será nomeado de 8B. E assim por diante! Um embrião não precisa ser perfeito. No exemplo que dei, o embrião 8B é considerado um embrião muito bom.

Posteriormente, já no estágio de blastocisto, ou seja, cinco a seis dias depois da coleta, o embrião se torna uma circunferência de células preenchida por líquido (vide figura).

Portanto, é revestido por uma camada fina de células e, em que uma das paredes, há uma região mais densa (chamada de massa celular interna). A camada fina é chamada de trofoectoderma e dá origem a placenta e, a mais densa é chamada de massa celular interna e dá origem ao bebê.

Classificação morfológica do blastocisto

Neste estágio, a classificação morfológica é dada de acordo com:

  1. expansão da cavidade do blastocisto;
  2. qualidade da massa celular interna;
  3. qualidade das células externas (trofectoderma).

Um embrião totalmente expandido recebe nota 4 e se tiver alta qualidade do outros dois parâmetros, ele será 4AA.

Um embrião que recebe nota 5AA, além de ser totalmente expandido, já que está sofrendo processo que nós chamamos de ‘hatching’, ou seja, já está saindo da camada que o envolve e se preparando para implantar no útero.

Blastocistos que recebem nota 3BB ou melhor são considerados embriões de boa qualidade.

Apesar da gente falar 4AA ou 5AA, ambos têm as mesmas chances de gravidez, pois estão bem expandidos e tem uma alta qualidade morfológica.

Para entender mais sobre esse processo, confira também o artigo ‘A escolha do embrião na Fertilização in vitro (FIV)’.

Relação entre a qualidade dos embriões e FIV

Atualmente, como temos um laboratório de reprodução com excelência em cultivo embrionário, nós trabalhamos preferencialmente com blastocisto, que é um embrião mais resistente e selecionado, o que aumenta as chances de gravidez. Assim, a fertilização in vitro da VidaBemVinda se torna mais eficiente, pois evita transferências que não trazem resultados.

A relação entre a qualidade dos embriões e a FIV está justamente no fato que quanto melhor é a classificação morfológica, maiores são as chances de uma gravidez. Mas é importante ressaltar que isso não tem relação com as possibilidades do bebê ter algum problema de saúde. Também é importante ressaltar que embriões de qualidade morfológica pior podem gerar gravidez e, portanto, podem ser transferidos. Um blastocisto 3BC, por exemplo, tem chance de gravidez!

Classificação genética dos embriões

Além da classificação morfológica, ainda existe a classificação genética. Para isso, realizamos a biópsia do embrião e analisamos a presença dos 46 cromossomos. Esta seleção responde se o embrião pode ou não ser transferido. Como existem indicações específicas, ela não é feita em todos os embriões. Mas isso é um assunto que abordaremos em outro artigo aqui no blog.

Gostou de entender qual a relação entre a qualificação embrionário e o sucesso da FIV? Na VidaBemVinda, somos muito transparentes em relação à qualidade do embrião e transmitimos essas informações de maneira detalhada e sincera às pacientes.

Para saber mais sobre nossos tratamentos de infertilidade, acesse o site da VidaBemVinda!