Tempo de Leitura: 4 minutos

Muito se ouve falar sobre fertilização in vitro (FIV). Naturalmente, mulheres que buscam ajuda para engravidar recorrem a clínicas que oferecem o tratamento.

No entanto, muitas clínicas, no Brasil e no exterior, reportam um dado curioso: do total de pacientes que procuram pelo procedimento, cerca de 30% de fato o fazem.

Isso acontece porque, em alguns casos, a FIV não é necessária. Tudo depende das condições e circunstâncias da paciente, é claro – as condições médicas, hábitos e tratamentos anteriores contam. Mas há procedimentos mais simples que, por vezes, resolvem a questão.

Estes procedimentos são confiáveis, mesmo não possuindo a avançada tecnologia contida na FIV, que é recomendada aos casais que possuem determinados diagnósticos, ou que apresentam algumas dificuldades específicas.

Cada caso deve ser analisado separadamente e, se um especialista disser que a FIV não é para você, isso não é uma má notícia, mas um sinal de que existem outros caminhos para o seu perfil.

Possibilidades

Os especialistas podem indicar uma variedade de tratamentos. Esteja com a mente aberta para ouvir, conhecer e entender sobre eles.

Na inseminação intrauterina (inseminação artificial), por exemplo, o sêmen preparado e processado é inserido no útero no momento da ovulação. O objetivo é melhorar as chances de fecundação e gestação com sucesso.

O sêmen pode ser fresco, advindo do parceiro, ou congelado, que pode ser, inclusive, de um doador anônimo.

Algumas opções de tratamento são:

·  Inseminação intrauterina: atualmente sempre utilizamos medicamentos para induzir a ovulação nos casos de inseminação artificial, pois a taxa de gravidez é maior do que quando não usamos, nos casos de ciclo natural. Através do controle com ultrassom, conseguimos avaliar a data ideal da ovulação, quando é feita a coleta do sêmen.

O sêmen é preparado e melhorado no laboratório, aumentando a concentração de espermatozoides de boa qualidade. O sêmen preparado é injetado dentro do útero por meio de um delicado cateter e o teste de gravidez é feito depois de 2 semanas.

As principais indicações da inseminação artificial são alterações leves a moderadas do sêmen, endometriose mínima ou leve e casos em que a causa da infertilidade não é clara (infertilidade sem causa aparente).

Quando a mulher tem mais de 37 anos, ou o tempo de infertilidade é maior que 2 ou 3 anos, ou com o parceiro tem alterações seminais mais graves, a inseminação intrauterina não tem boas taxas de sucesso, sendo indicada a FIV.

· Relação sexual programada (coito programado): medicamentos são usados para estimular os ovários a desenvolver os folículos que contém os óvulos. No momento ideal (período fértil), o casal é orientado a ter relações sexuais. O teste de gravidez é feito cerca de 2 semanas depois.

É importante considerar o papel dos homens nesses tratamentos. Alguns apresentam desequilíbrios hormonais, que afetam o desenvolvimento do espermatozoide. Há substâncias específicas para tratar algumas alterações seminais. “Homens com baixos níveis de testosterona e baixa quantidade ou qualidade de espermatozoides podem se beneficiar de medicamentos como citrato de clomifeno e gonadotrofinas para estimular os testículos”, diz Dr. Bruno Cezarino, urologista da VidaBemVinda. Isso deve ser avaliado criteriosamente pelo urologista especializado em andrologia.

Finalmente, você pode ouvir falar em cirurgia. Muitas vezes, ela pode melhorar as chances de concepção, quando a causa da infertilidade é uma inflamação ou infecção que deixou sequelas – como a endometriose e a doença inflamatória pélvica aguda (decorrente de bactérias como gonorreia e clamídia).

As cirurgias ginecológicas incluem as técnicas minimamente invasivas, como histeroscopia e laparoscopia, que, além do benefício estético com poucos e pequenos cortes, tem vantagens reprodutivas e podem ser mais seguras que técnicas abertas.

No caso dos homens com varicocele (dilatação dos vasos dos testículos), a cirurgia microscópica pode melhorar a qualidade do sêmen e muitas vezes o casal pode engravidar espontaneamente. “Mesmo quando não engravida de forma natural, a correção da varicocele pode aumentar as chances de sucesso na inseminação artificial ou FIV”, argumenta Dr. Bruno Cazarino. Mas isso depende de uma série de fatores e deve ser discutido de forma detalhada com o urologista.

Pacientes também recorrem às clínicas para reverter tratamentos de esterilização, como a laqueadura tubária ou vasectomia, e mais uma vez a cirurgia pode ajudar.

A chance de engravidar após a reversão de laqueadura depende principalmente da idade da mulher, reserva ovariana, qualidade do sêmen do parceiro e da técnica utilizada para fazer e reverter a laqueadura. Atualmente, utiliza-se a laparoscopia ou cirurgia robótica para reverter de forma eficaz.

O sucesso da reversão da vasectomia depende essencialmente do tempo em que foi feita a vasectomia. A reversão deve ser feita sempre com cirurgia microscópica.

As possibilidades são inúmeras e uma análise profunda do seu especialista é altamente recomendável. Apenas depois de muita conversa e exames, ele será capaz de recomendar o que de fato será a melhor opção para o seu caso. Mantenha ouvidos abertos e muita calma: a fertilidade pode estar mais perto de se tornar realidade do que sonham suas expectativas.