Tempo de Leitura: 2 minutos

São muitas as dúvidas e lendas que cercam a endometriose. Por isso, é preciso que as mulheres fiquem atentas e busquem constantemente informações confiáveis e fidedignas para adotar as melhores práticas em suas vidas e evitar a doença.

Esta, portanto, é uma boa notícia para a mulher que entende a seriedade da endometriose e opta por cuidar de sua saúde, também preventivamente.

Em 2010 foi publicado um estudo da Harvard Medical School no jornal Human Reproduction afirmando que aquelas que consomem alimentos ricos em ômega-3 têm menos chance de desenvolver endometriose do que as que ingerem alimentos ricos em gordura trans.

Sim, trata-se de uma escolha por uma vida mais saudável e por hábitos alimentares equilibrados.

O ácido graxo ômega-3 é encontrado nos animais marinhos, especialmente em peixes como o atum e o salmão. O organismo não consegue produzir ácidos graxos, apesar de sua função nobre: quando ingeridos, são responsáveis por criar uma camada lipídica em volta das células, contribuindo para o melhor funcionamento de suas funções.

Dentre seus reconhecidos benefícios, o ômega-3:

  • Faz bem ao coração;
  • Reduz o colesterol;
  • Regula a pressão arterial;
  • Faz bem para a visão;
  • Faz bem para o cérebro;
  • Combate a depressão;
  • Alivia os sintomas da artrite reumatoide.

Com o novo estudo, mais um item pode ser agora adicionado a essa lista: ele pode prevenir o desenvolvimento da endometriose.

Probabilidade 22% menor

Por 12 anos, de 1989 a 2001, o estudou examinou 70.709 mulheres. As que ingeriram mais ômega-3 tiveram 22% menos chance de serem diagnosticadas com endometriose.

Por outro lado, as que consumiram mais gordura trans – encontrada em frituras, margarina e biscoitos – tiveram 48% mais chances de desenvolver a doença. De fato, esse tipo de gordura aumenta o nível de determinados marcadores inflamatórios do organismo, associados ao desenvolvimento da doença.

O estudo levou em conta questionários autoaplicáveis, mas os diagnósticos de endometriose, com ou sem infertilidade, foram confirmados por registros médicos.

Dessa forma, mulheres que se preocupam em manter uma vida saudável, com a prática regular de exercícios, bons hábitos e alimentação equilibrada têm, agora, mais um motivo para reforçar esse estilo de vida, sobretudo se planejam engravidar.

A endometriose pode comprometer a fertilidade e, com o avançar da idade, o quadro pode se complicar.

Aquelas que acreditam ser “cedo demais” para considerar essa hipótese estão, na verdade, acelerando um processo maléfico em seus organismos. O corpo vai responder aos estímulos e consumos adotados durante anos.

Por isso, não adie a tomada de boas decisões para sua vida: alimentos saudáveis, como os que contêm ômega-3, fazem bem para o coração, o cérebro, os olhos e também para reduzir o risco de endometriose. Não importa se você deseja ou não engravidar: a saúde da região deve ser preservada de qualquer forma.

Não tem certeza como deve se alimentar? Procure um profissional que possa desenvolver uma boa dieta. O seu corpo – cada parte dele, mesmo aquelas que você nem tem muita certeza que existem – agradece, hoje e sempre.