Tempo de Leitura: 3 minutos

Para quem já passou por um aborto espontâneo, engravidar novamente pode gerar uma sensação de fragilidade constante. No entanto, isso é extremamente comum. É importante saber as principais causas para evitarmos que isso aconteça. Saiba mais!

Quais as 5 causas mais comuns de aborto?

Uma em cada quatro gestações resultará em aborto.

O abortamento espontâneo pode ser causado por vários motivos e razões identificáveis incluindo alterações hormonais, infecções e malformações uterinas.

Na maioria dos casos, os abortos são difíceis de prever, mas podem ter causas explicáveis cientificamente.

Principais causas de abortamento espontâneo:

  1. Alterações uterinas: alterações dentro do útero que podem ser desde o nascimento ou adquiridas ao longo do tempo. Incluem:  septos, miomas, pólipos, sinéquias, útero uni ou bicorno e podem dificultar a implantação e o desenvolvimento do feto.
  2. Hormonais: desequilíbrios hormonais podem dificultar não somente para a mulher engravidar como podem aumentar a taxa de abortamento espontâneo. Ex.: problemas na tireoide, como hipo ou hipertireoidismo, que podem aumentar 3 vezes o risco de aborto. Quando o hormônio tireoidiano não é produzido adequadamente pode impedir o desenvolvimento adequado do feto.
  3. Causas imunológicas e trombofilias: problemas de desordem imunológica podem impedir que a gestação evolua adequadamente. Alterações de coagulação como as trombofilias e a Síndrome dos Anticorpos Antifosfolípides (SAAF) impedem que o sangue e os nutrientes cheguem de forma adequada para o embrião e feto, aumentando o risco de aborto.
  4. Anormalidades cromossômicas: responsáveis pela maior parte dos abortos espontâneos, estima-se que ao menos 60% das causas de aborto são causadas por uma alteração genética específica daquele embrião que está se desenvolvendo inadequadamente, devido principalmente a aneuploidias (número errado de cromossomos).
  5. Infecções: qualquer infecção bacteriana ou viral pode aumentar a chance de aborto. Doenças como sífilis, toxoplasmose e rubéola também estão associadas a maior taxa de aborto. Quando se planeja engravidar é importante uma consulta com um ginecologista, realizar exames de rotina e descartar possíveis infecções.

A Síndrome dos Ovários Policísticos pode aumentar o risco de abortamento?

SIM. Pacientes com Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) podem apresentar maior taxa de aborto espontâneo por razões metabólicas-hormonais. Suplementos e medicações que equilibram os processos naturais do corpo podem ajudar a reduzir a probabilidade de aborto nestas pacientes.

Tive um aborto espontâneo e não consigo engravidar novamente. Quais as chances de engravidar e de ter uma gestação bem sucedida?

Se o tempo que você está tentando engravidar pós aborto for maior que 6 a 12 meses, procure um especialista para investigar os possíveis motivos de você não conseguir engravidar. Se você já teve dois ou mais abortos também deve procurar um especialista, pois as causas maternas começam a ser mais prevalentes.

Atenção: 60% das mulheres que já tiveram 2 abortos anteriores irão conceber espontaneamente e com sucesso.

Um único aborto espontâneo anterior significa que você tem chance maior de ter um novo abortamento na próxima gestação?

NÃO. Um único aborto anterior não torna mais provável você ter outro. Não significa aumento do risco de novo aborto. Como a maior parte dos abortos decorre de anormalidades genéticas do embrião, ela é aleatória e dependente de cada embrião em particular. Evidentemente, o risco de alteração genética é maior conforme aumenta a idade dos óvulos, principalmente após os 35 anos.

Caso o problema seja alteração no útero, alteração cromossômica dos pais ou algum desequilíbrio hormonal, o risco de abortar é maior e deve ser discutido com o casal o que pode ser feito para reduzir essa taxa.

Quais as chances de abortamento ao longo da gestação?

O risco é maior nas primeiras 9-10 semanas de gravidez. Uma vez que a gestação atingiu o 2º trimestre, o risco de aborto é significativamente reduzido e está por volta de 7%

Portanto, se você já apresentou um aborto espontâneo anteriormente, não desanime, pois uma em cada quatro gestações, infelizmente, terão esta evolução.  E a principal causa está relacionada a alteração genética do próprio embrião ou feto.

Caso tenham apresentado dois ou mais abortos ou está tentando engravidar há mais de 6 meses sem sucesso procure um profissional especialista para investigar outras causas mais específicas e buscar o tratamento mais indicado para o seu caso.