Tempo de Leitura: 4 minutos

Uma pergunta frequente no consultório é: Como posso aumentar a fertilidade ou a chance de engravidar?

Geralmente 80% dos casais sem problema de fertilidade engravidam nos primeiros seis meses. A chance de gravidez é maior nos primeiros três meses e no final de um ano, 85% dos casais engravidam. E o que podemos fazer para aumentar essas chances? A seguir, algumas dicas para aumentar a sua fertilidade.

1) Idade

A idade, já conhecida pelos casais, é um fator de infertilidade, principalmente das mulheres. Acima dos 35 anos, a chance de engravidar diminui. Isso porque a mulher já nasce com uma quantidade de óvulos que diminuem em quantidade e qualidade ao longo da vida. Para os homens, os espermatozoides se renovam a cada três meses, mas há uma queda na qualidade seminal, principalmente após 47 anos.

2) Frequência da relação sexual

Existe um conceito errado que se deve aumentar o tempo entre as relações para aumentar a concentração de espermatozoides. MITO. O ideal é ter relação a cada dois dias, para melhorar a concentração e movimentação dos espermatozoides! Nada impede que se tenha relações diárias também. O importante é que esse intervalo de relações não gere estresse, que pode prejudicar o casal.

3) Período fértil

Ter relações até três dias antes ou após a ovulação é o ideal.  Difícil é estabelecer o período fértil de cada mulher. Para mulheres com intervalos entre ciclos regulares, fica um pouco mais fácil. Isso porque e a fase lútea, que ocorre após a ovulação geralmente é fixa e dura 14 dias. O que pode variar é a duração da fase folicular – crescimento dos folículos e início do período fértil. Para mulheres com ciclos de 28 dias, a ovulação ocorre no 14º dia. Assim o período fértil da mulher inicia-se três dias antes da ovulação. Para mulheres com intervalos mais curtos, inicia-se antes. Para mulheres com ciclo mais longo, inicia-se depois. Mas ter relação a cada dois dias durante o período fértil aumenta as chances de engravidar.

4) Monitorização da ovulação

Algumas mulheres são capazes de identificar mudanças no humor, no muco cervical e apresentam a “dor do meio”, sinais de ovulação.

Dentre os métodos para se verificar a ovulação, o melhor é o muco cervical: mais barato e prático. Principalmente quando se percebe um muco claro ou transparente, mais escorregadio.

As fitas de LH tem se tornado grande aliada das mulheres tentantes. Mas, cerca de 10% do teste pode dar um resultado falso positivo, ou seja, a mulher não teve um pico de LH, podendo subestimar o período fértil.

A temperatura basal também pode ser realizada, mas entre os métodos, é o que mostrou piores resultados de gravidez.

5) Uso de lubrificantes

Alguns lubrificantes vaginais a base de água podem diminuir a movimentação dos espermatozoides, assim como azeite e saliva. Óleos minerais parecem não interferir no sêmen. Gel com hidroxietilcelulose (como Conceive plus ou Pre-seed) também não interferem no sêmen. Se for necessário utilizar algum lubrificante, de preferência aos óleos minerais (como óleo de canola) ou gel com hidroxietilcelulose.

6) Rotina após relação sexual

Permanecer em repouso, deitada ou com as pernas elevadas não aumentam a chance de conceber. Isso porque os espermatozoides demoram cerca de 2 minutos para atingirem as tubas uterinas para encontro do óvulo.

O número de espermatozoides encontrados na tuba uterina pode ser maior com a elevação de ocitocina – durante um orgasmo e quanto maior for o folículo dominante – mais próximo da ovulação. Mas isso não alterou a taxa de gravidez! Interessante é que os espermatozoides geralmente percorrem a tuba uterina do lado do ovário que tem o folículo dominante, por quimiotaxia (como se fosse pelo cheiro). A natureza é sábia, não é?

7) Dieta e estilo de vida

A ovulação pode ser prejudicada em mulheres acima ou abaixo do peso, inclusive em mulheres com perda ou ganho de peso muito rápida. Algumas medidas podem ser tomadas, especialmente uma dieta saudável:

– evitar gordura trans

– preferir alimentos orgânicos ao invés de industrializados

– aumentar a ingestão de óleos vegetais insaturados

– aumentar a ingestão de proteína de origem vegetal

– comer carboidratos de absorção lenta

– abusar de vegetais que contenham ferro e antioxidantes

Além disso, a ingestão de ácido fólico é essencial para evitar malformação do tubo neural do feto.

A ingestão de inhame, maca peruana, amendoim e ostras não mostrou um aumento de fertilidade!

8) Cessar tabagismo

O cigarro está relacionado a diminuição da reserva ovariana e maiores taxas de abortamento, assim como pode ser prejudicial na qualidade do sêmen. Ideal cessar tabagismo.

9) Evitar álcool

Se consumido com moderação – uma dose por dia – não parece ter interferência na fertilidade. Mas deve ser cessado durante a gestação pelo risco de malformação fetal.

9) Reduzir cafeína

Uso de cafeína moderado – uma ou duas doses por dia, não tem interferência na fertilidade. Isso corresponde a duas xícaras de café ou um espresso por dia.

10) Não usar maconha

Pode piorar a infertilidade masculina e feminina. Estudos recentes mostram que usuárias de maconha de uma a três vezes por mês podem ter atraso de até quatro dias na ovulação. E para os homens, prejudica a qualidade seminal.