Tempo de Leitura: 3 minutos

 

A gravidez é um verdadeiro sonho para muitas mulheres. Porém, há uma grande dificuldade em lidar com o distanciamento desse sonho quando o casal sofre com algum fator de infertilidade. Quando isso ocorre, geralmente é porque está diante de algum problema genético ou fisiológico, ou, ainda, a Infertilidade Sem Causa Aparente.

O que é a Infertilidade Sem Causa Aparente?

A Infertilidade Sem Causa Aparente, também conhecida como ISCA, acontece quando o casal não engravida e não tem uma explicação mais conclusiva. Nesse caso, depois de diversos exames e tentativas que apontam que o casal não tem nenhum tipo de alteração fisiológica, os médicos diagnosticam a ISCA, ou seja, é um diagnóstico de exclusão.

Pode ser que você nunca tenha ouvido falar sobre o assunto, mas ele é mais comum do que maioria das pessoas imagina. Até 15% dos casais que são direcionados a uma clínica especializada em reprodução sofrem com esse diagnóstico. Ou seja, na realidade, eles não sabem a razão de não conseguirem ter filhos.

É claro que quanto melhor for a investigação (incluindo a qualidade dos exames), menor é a chance de não saber a causa. Por isso, vale a pena seguir as orientações do seu médico em relação aos exames: qual exame, quando e onde fazer podem fechar um diagnóstico!

Veja que interessante: cerca de 40% das mulheres com ISCA na verdade têm endometriose, que, se não for investigada corretamente (ressonância magnética de pelve ou ultrassom com preparo de intestino, com os profissionais adequados), pode ficar anos sem dar sintomas.

Como é feito o diagnóstico?

Antes de determinar se o problema é mesmo a ISCA, é muito importante que o médico peça vários exames, repetindo-os se for necessário, para ter certeza do que se trata. Entretanto, mesmo que você sofra com a infertilidade, depois do diagnóstico, seu médico pode te indicar tratamentos de reprodução assistida que vão te aproximar mais do sonho de gerar um bebê.

O médico pode apontar o tratamento ideal, pois consegue fazer uma análise caso a caso. Nesse momento, ele pondera sobre vários aspectos, como a idade da mulher, o tempo de infertilidade e a ansiedade deles para que o sonho se concretize.

Que caminho seguir com relação a infertilidade sem causa aparente?

Relação sexual programada

O coito programado é um tratamento relativamente simples. Orientamos o uso de medicamentos para induzir a ovulação e, no momento ideal, o casal deve ter relações sexuais no período em que a mulher está mais fértil.

Com isso, a chance de uma fecundação acontecer sobe consideravelmente. O acompanhamento é feito com ultrassonografias seriadas para avaliar se o folículo e endométrio estão crescendo. Vale ressaltar que a relação sexual programada é indicada principalmente para casais em que a mulher tem dificuldades de ovulação, como síndrome dos ovários policísticos.

Inseminação artificial

Essa é outra opção bem conhecida, a Inseminação Intrauterina — ou apenas IIU. Esse tratamento tem grandes semelhanças com a relação sexual programada, mas, nesse caso, os espermatozoides não são colocados no útero de maneira natural. Na inseminação, eles são coletados, processados e inseridos no útero por meio de um cateter delicado.

Esse tipo de tratamento é indicado para casais em que o tempo de infertilidade não é maior que dois ou três anos, pois depois desse tempo os resultados não têm se mostrado tão eficientes.

Fertilização in vitro

A fertilização in vitro (FIV) é a opção mais sofisticada e talvez por isso tenha os melhores resultados. O procedimento consiste em estimular a ovulação e coletar a maior quantidade de óvulos possível. Depois disso, eles são encaminhados a um laboratório de fertilização, onde são unidos aos espermatozoides para a fecundação. Quando está tudo certo, o embrião é implantado no útero e se desenvolve. Essa é a técnica com os melhores resultados, sendo que 55% das mulheres com menos de 35 anos engravidam com a FIV.

Entendendo um pouco mais a Infertilidade Sem Causa Aparente é possível perceber que ela é mais comum do que se imagina. Vale investir em bons exames diagnósticos. A boa notícia é que, mesmo com um pouco mais de dificuldade, você pode realizar seu grande sonho optando por uma das opções de tratamento. Não deixe de conversar com seu médico e de obter maior esclarecimento sobre o assunto.

Ficou com alguma dúvida ou gostaria de compartilhar sua experiência? Conta pra gente nos comentários.