Tempo de Leitura: 2 minutos

Este artigo foi originalmente publicado no blog Criobanco e reproduzido aqui com permissão. Acesse o conteúdo original.

A gravidez foi confirmada e a futura mamãe é só alegria. Após todas as felicitações e os planos, é chegada a hora de fazer uma série de exames que vão detectar alterações que podem interferir na evolução saudável da gravidez. Segundo especialistas, o primeiro trimestre de gravidez é o mais crítico e exige uma ampla investigação.

Isso porque é nesse período que acontece a formação do bebê. Além disso, é nessa fase que ocorrem os principais sintomas da gravidez e as chances de aborto espontâneo são maiores. Por isso, geralmente são solicitadas avaliações para detectar possíveis alterações.

Dentre os exames está o hemograma completo e a tipagem sanguínea, que verifica o fator Rh da grávida e a necessidade ou não da injeção de imunoglobulina em casos de incompatibilidade. Ultrassonografia e sorologias para detectar casos de toxoplasmose e de HIV também são necessárias.

Além da mudança de alimentação e hábitos, no início da gestão a grávida precisa repor vitaminas. E o ideal é que mulher comece a ingerir cinco miligramas de ácido fólico diariamente pelo menos dois meses antes de engravidar.

A deficiência de ácido fólico na alimentação da futura mamãe pode causar uma má formação no sistema nervoso primitivo do feto, desenvolvido logo no primeiro mês de gestação. Portanto, essa deficiência é um dos problemas que pode ser evitado no início, ou antes da gravidez ser confirmada.

Alguns exames indicados durante a gestação:

Glicemia: Indicado no primeiro e no terceiro trimestres para saber se a gestante é diabética.

Sorologia: São exames que precisam ser feitos no primeiro e no terceiro trimestres. Eles determinam se a gestante já teve contato com algumas doenças para que, em caso positivo, sejam tomados os cuidados necessários para que o bebê não seja infectado.

Urocultura: Realizado no primeiro, segundo e terceiro trimestres, o exame verifica a existência de infecção urinária, principal causa de partos prematuros.

Exame de translucência nucal: Feito no primeiro trimestre da gestação, verifica o risco para síndromes genéticas, como a Síndrome de Down.

Ultrassonografia: Feita no primeiro trimestre, o exame vai detectar se a gestação é única ou múltipla, e determinar a idade gestacional exata. Deve ser repetida no segundo e terceiro trimestres para verificar se o desenvolvimento fetal está dentro do esperado.