Tempo de Leitura: 2 minutos

Há cerca de 20 anos, quando um casal não conseguia ter filhos, o “problema” era considerado sempre da mulher.

Com o avanço da Medicina e do conhecimento, hoje se sabe que nem sempre a causa da infertilidade está nela. A dificuldade pode ser do homem, e às vezes de ambos. Com menos preconceito e mais sentimento de companheirismo, junto, o casal tem buscado ajuda médica quando deseja engravidar.

Para a Organização Mundial de Saúde (OMS) e para a Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM), a infertilidade masculina é classificada como uma doença, quando as funções do sistema reprodutor se encontram fora da normalidade. Mas para ser diagnosticada, é preciso que o casal tenha passado por um período de um ano de tentativas de concepção, sem fazer uso de métodos contraceptivos e sem ter conseguido engravidar.

Nos dias atuais, entre 10 e 15% dos casais são inférteis. São entre 100 e 150 milhões de pessoas, em todo o mundo, com dificuldades para gerar um filho.

Pesquisas mostram, ainda, que a causa da infertilidade está ligada ao homem em 30% dos casos. Ou seja, os problemas de infertilidade nele são mais comuns do que se imagina; portanto, nos casos de dificuldade de concepção, é importante que o homem procure um médico de sua confiança e passe por uma avaliação criteriosa e específica.

Nesse processo, doenças como infecções (uretrites, prostatites, epididimites) e distúrbios hormonais como aqueles causados pelo uso de anabolizantes, que podem aparecer entre as causas da infertilidade, são tratadas se diagnosticadas a tempo. E quanto mais cedo, melhor.

Além disso, o desenvolvimento da infertilidade masculina pode estar associado a um problema vascular como a varicocele: a dilatação anormal das veias dos testículos, que aumenta tanto a temperatura testicular, quanto os níveis de radicais livres de oxigênio nessa região, piorando a qualidade do sêmen.

Mas para se chegar a um diagnóstico preciso, é indispensável uma investigação médica adequada e exames específicos, como análises do sêmen, incluindo espermograma e, se necessário, o índice de fragmentação do DNA espermático. Sem a devida atenção, e sem a falta de acompanhamento médico, o problema pode se agravar para além da infertilidade, levando o homem ao desenvolvimento de outras doenças, como hipogonadismo hipergonadotrófico.

Qualidade de vida e bem-estar

A infertilidade masculina pode afetar intensamente a qualidade de vida, a autoestima, o convívio social e emocional do casal, já que pode impedir a realização de sonhos, como o de constituir uma família. Mas você pode mudar essa realidade.

Deixar o preconceito de lado é o primeiro passo para a conquista da qualidade de vida e do bem-estar tão desejados. O melhor caminho para a cura é a busca de acompanhamento médico, associada a uma dieta saudável, livre de alimentos gordurosos, álcool, café e cigarro, e rica em frutas, verduras e legumes frescos.

Todo esforço vale a pena quando se entende que o bem-estar sexual do casal é parte da saúde geral masculina e feminina. Agora é com você!