Tempo de Leitura: 4 minutos

A infertilidade secundária é desconhecida da maioria das pessoas e, geralmente, só vai buscar se informar sobre ela quem realmente for afetado pela condição.

Trata-se da dificuldade que um casal tem de engravidar, apesar de já ter engravidado pelo menos uma vez antes. Mas atenção: se a mulher ou homem já tem filho de outro relacionamento mas não consegue engravidar com o(a) parceiro(a) atual, a condição é considerada infertilidade primária (do casal). Isso acontece pois cada parceiro pode ter fatores de infertilidade diferentes, sendo considerado de uma forma geral o casal atual.

Por isso, o sentimento de frustração e incapacidade pode ser ainda maior nessas pacientes do que nas pacientes que nunca engravidaram: por que não consigo agora se já foi possível antes? O que mudou? O que fiz de errado?

“Cerca de 20% a 30% dos casais que tentam a segunda gestação passam por essa condição”, conta a Dra. Fernanda Imperial, ginecologista especialista em Reprodução Humana da VidaBemVinda.

As mulheres de hoje tendem a colocar outras coisas em primeiro lugar em suas vidas. Em seus primeiros vinte anos, a educação e a carreira estão entre as principais delas. Encontrar o parceiro ideal também pode atrasar a decisão por engravidar. Por isso, buscar a primeira gestação depois dos 30 anos tornou-se tão habitual.

Da mesma forma que a infertilidade primária, a idade e o relógio biológico acabam sendo os principais fatores. Não há como parar o tempo e o efeito que ele tem sobre os ovários, especialmente após os 32 anos.

As mesmas causas da infertilidade primária

De forma geral, as causas da infertilidade secundária são as mesmas da primária – a diferença é que, naturalmente, a paciente está um pouco mais velha, e isso também influencia. Alguns motivos incluem: o espermatozoide pode apresentar problemas como pior motilidade (grau de movimentação) e alteração na morfologia (formato) ou as tubas uterinas podem estar obstruídas, por exemplo.

Poderiam os traumas naturalmente vividos pelo organismo após uma primeira gestação impactar uma segunda gestação? As funções das tubas uterinas geralmente não são afetadas, seja por um parto normal ou uma cesárea, mas há registros de mulheres que desenvolveram disfunções. É preciso então buscar avaliação médica.

No entanto, os mesmos problemas poderiam se desenvolver antes mesmo da primeira gestação – o que comprovaria que a primeira gravidez não é a causa de problemas naquela área. Eles podem surgir a qualquer momento.

Exames de sangue podem descartar problemas de fertilidade e indicar se intervenções médicas são necessárias para ajudar a resolver a questão.

Em cerca de 15% dos casais, todos os testes possíveis são feitos, como para avaliar a qualidade do espermatozoide e as funções das tubas uterinas, e nenhum problema é encontrado. “Isso é conhecido como infertilidade sem causa aparente, ou inexplicada”, diz Dra. Fernanda Imperial. “Porém, acreditamos que uma avaliação criteriosa e inteligente pode detectar o real fator de infertilidade em muitos casos considerados como sem causa definida”, acrescenta a médica.

“Cerca de 40% dos casos de infertilidade sem causa aparente são pacientes com endometriose, que demoram para fazer o diagnóstico, muitas vezes por falta de uma indicação precisa de exames como ressonância magnética e ultrassonografia com preparo intestinal”, diz Dr. Renato Tomioka, ginecologista especialista em Laparoscopia e Histeroscopia da VidaBemVinda.

Período fértil

Apesar de parecer um procedimento básico, muitas vezes o período fértil é confundido pelo casal: é preciso que ele entenda o processo da ovulação e tenha relações sexuais no período correto, ou ficará impossível engravidar em qualquer idade. Mulheres podem ter ciclos de 25 dias, ou de 35 dias, por exemplo, e geralmente 14 dias antes da menstruação estão ovulando – esse prazo pode variar em dois dias antes e dois dias depois.

Dicas como melhorar a saúde pessoal, parar de fumar (cigarro reduz a qualidade do espermatozoide e diminui a reserva de óvulos) e beber, cuidar da forma física e evitar o estresse são sempre bem-vindas quando o casal considera engravidar. Por isso, na infertilidade secundária elas também são recomendadas.

Ainda, as pacientes podem começar a tomar ácido fólico alguns meses antes de começar a tentar engravidar até os três primeiros meses da gestação.

O sonho da gestação, seja ela a primeira, segunda, terceira etc, não deve ser esquecido porque tudo parece difícil. É comum surgirem obstáculos, e o casal deve ter a determinação de encontrar os motivos, seguir os conselhos médicos e buscar realizar o sonho de forma tranquila.

Ter os melhores especialistas ao lado também ajuda – busque clínicas e profissionais éticos e responsáveis e entenda que os problemas podem surgir, mas isso não deve alimentar um desânimo.

Ao contrário, buscar ajuda significa que você está no caminho certo para a realização do sonho da maternidade, seja pela primeira, segunda vez ou mais!