Tempo de Leitura: 3 minutos

Na hora de planejar a maternidade, surgem muitas opções para auxiliar e garantir que a gestação seja saudável. O Diagnóstico Genético Pré-Implantacional Embrionário existe para trazer segurança às mulheres que sonham em ser mães.

Quer entender um pouco mais sobre o diagnóstico e o que ele pode fazer por você? Então, vem com a gente.

O que é o PGD — Diagnóstico Pré-Implantacional Embrionário?

O PGD, também conhecido como biópsia embrionária ou CGH (Hibridização Genômica Comparativa, sigla em inglês), é uma análise altamente tecnológica feita a partir de um teste genético das células embrionárias durante um tratamento de fertilizadas in vitro.

Há duas formas de diagnóstico pré implantacional, em uma delas, a função é de verificar a existência de alguma anomalia na quantidade, ou na estrutura dos cromossomos, a  outra, avalia a probabilidade de o embrião desenvolver alguma doença genética devido à mutação de um dos genes. Esse diagnóstico é feito antes que o embrião seja transferido para o útero da futura mãe.

Como é realizado o procedimento?

O diagnóstico é feito no quinto dia da fertilização, realiza-se a retirada (biópsia) de algumas células, que irão para avaliação genética. Nesse período,  é possível fazer a análise e, a partir do resultado dado como embrião normal, com 46 cromossomos, ou com ausência do gene pesquisado, prosseguir com a transferência embrionária.

O que pode ser detectado?

Com o Diagnóstico Genético Pré-Implantacional Embrionário, é possível detectar anomalias e alterações nos cromossomos, ou nos genes, relacionados a doenças hereditárias que o bebê possa vir a desenvolver.

Os resultados ajudam a identificar se o embrião vai crescer de maneira saudável ou se desenvolverá algum tipo de doença monogênica, como a hemofilia, a anemia falciforme, a fibrose cística e a fenilcetonúria; ou, alguma anomalia cromossômica responsável pela Síndrome de Down, pela Síndrome de Patau e pela Síndrome de Turner, Síndrome de Edwards.

Qual é a indicação para realizar o PGD?

Nem todos os casos de fertilização in vitro precisam passar pelo Diagnóstico Genético Pré-Implantacional embrionário, já que não se trata de um teste obrigatório. Mas é recomendado fortemente para os casais em que as mulheres tenham por volta de 40 anos de idade; quando tiverem sido detectadas anomalias genéticas em gravidezes anteriores; a sucessão de abortos precoces; quando já sabemos da existência de alguma doença genética familiar, ou parental; e, quando outros ciclos de fecundação in vitro não tiverem sido bem-sucedidos.

Existe alguma contraindicação?

Não. O procedimento é seguro e não existe nenhuma contraindicação. Inclusive, casais que não se enquadram nas indicações relacionadas acima também podem solicitar o diagnóstico.

Esse procedimento garante que o bebê será saudável?

Não. Apesar de ser um exame de alta precisão, o Diagnóstico Genético Pré-Implantacional Embrionário não oferece garantia de que o bebê será totalmente saudável. Isso porque algumas das condições necessárias para a avaliação da saúde do embrião são indetectáveis antes que ele seja implantado no útero. Mesmo assim, as chances de falhas no teste são extremamente baixas.

Para garantir maior segurança durante o procedimento e também nos resultados do Diagnóstico Genético Pré-Implantacional Embrionário, procure um laboratório de confiança e tradição, converse com um médico e peça orientação.

Caso queira mais informações sobre esse ou outros assuntos relacionados, não deixe de assinar nossa newsletter.