Tempo de Leitura: 1 minutos

A relação entre a deficiência de ácido fólico e defeitos do tubo neural já é bem estabelecida na literatura, mas um novo trabalho surgiu alertando para a relação entre a suplementação de vitamina B3 ( niacina) e uma provável redução do risco de malformações vertebrais, cardíacas e renais conhecidas como sequência de VACTERL.

Para chegar a tal conclusão, os pesquisadores Australianos investigaram geneticamente 4 famílias cujos filhos apresentavam essa sequência de malformações congênitas. Chegou-se a conclusão que essas famílias apresentavam defeitos em enzimas do ciclo de produção do NAD (nicotinamida adenina dinucleotideo) resultando em níveis baixos dessa substancia na circulação sangüínea. O NAD está presente em várias reações químicas intracelulares e desempenha um papel importantíssimo na produção de energia para todas as nossas atividades. Ele é fabricado no nosso organismo a partir do triptofano ou da vitamina B3.

Para provar que esse defeito era o responsável pelas malformações, foi “ fabricada” a mesma falha genética em ratos de laboratório por meio da engenharia genética. Os ratos nascidos com essa mesma alteração enzimática vista nas famílias, e cujas mães não receberam uma suplementação adequada de vitamina B3 durante a gestação, nasceram com malformações semelhantes às encontradas nos humanos.

O mais legal de tudo isso foi que a suplementação de vitamina B3 durante a gravidez das ratas fez com que os filhotes nascessem saudáveis mesmo tendo o defeito genético.

Os pesquisadores creem que o mesmo efeito possa ser observado em na reprodução humana, se as mães tivessem recebido um suplemento de vitamina B3 em uma dose 10 vezes maior que a recomendada habitualmente.

Através desse estudo, essas alterações que até então tinham uma causa desconhecida, podem até mesmo, em um futuro próximo, ser evitadas com uma suplementação dietética adequada.