Tempo de Leitura: 3 minutos

Depois de um tempo tentando engravidar, muitas mulheres ficam frustradas e chegam até a questionar seu real papel como mulher. Nós entendemos esse sentimento e sabemos que não é fácil ter de aceitar que talvez seja necessária uma ajuda especializada. Mas a medicina existe justamente para ajudar e está muito avançada quando o assunto é infertilidade, não só na questão tecnológica, mas também na humanização.

A Inseminação Artificial existe para ajudar pessoas que querem engravidar, mas enfrentam algumas questões como: algum fator de infertilidade masculina, infertilidade inexplicada ou sem causa aparente (ISCA), ou quando há necessidade de doação de sêmen. Existem dois procedimentos de Inseminação Artificial: a inseminação intra-uterina (mais comum atualmente), e a inseminação intracervical, também conhecida como inseminação intravaginal, pouco utilizada.

Quando o casal procura o especialista em infertilidade e reprodução humana, primeiro é feita uma anamnese e consulta detalhada, além de exames antes de determinar os fatores de infertilidade. Com isso, é possível avaliar se a Inseminação Artificial é o procedimento mais adequado. Antes de mais nada será necessário que o casal (ou a mulher e seu potencial doador) passem por um exame físico completo, incluindo exames de sangue. O médico vai solicitar um espermograma. Informe-o em casos de ejaculação precoce ou alterações em exame prévio.

Se a Inseminação Artificial for a técnica mais adequada, a mulher deve iniciar os medicamentos no começo da menstruação, sendo realizadas ultrassonografias para monitorar a ovulação.

Monitoramento da ovulação

O médico pode prescrever medicamentos para induzir a ovulação, como citrato de clomifeno ou gonadotrofinas (hormônios) injetáveis ​​a partir do terceiro ao quinto dia do ciclo. Combinar tratamentos hormonais com inseminação intra-uterina (IIU) vem proporcionando melhores chances de gravidez para muitos casais. A paciente é cuidadosamente acompanhada através de exames de sangue e ultrassonografias para verificar se os folículos (e óvulos) estão se desenvolvendo de forma adequada. A gonadotrofina coriônica humana (hCG) pode ser administrada ao final da indução, para programar a ovulação e o procedimento. A inseminação intra-uterina com o sêmen do parceiro (ou de doador) deve ser realizada 36 horas após a aplicação do hCG. O médico pode também recomendar outros métodos de monitoramento dos ciclos ovulatórios, como exames para medir picos de LH na urina. O pico de LH indica que a mulher está prestes a ovular.

Processamento do sêmen

Na Inseminação Artificial, a amostra de sêmen passa por uma lavagem (sperm wash) e processamento especial. Existem algumas técnicas de processamento, como o swim-up e gradiente descontínuo de densidade. Logo após a coleta, são retiradas células mortas e impurezas, sendo concentrados os espermatozoides de melhor qualidade para otimizar as chances de concepção. O processamento oferece vários benefícios: as chances de gravidez aumentam, pois os espermatozoides com maior potencial de fertilização ficam concentrados; evitam-se possíveis respostas alérgicas ao esperma e minimizam-se as cólicas uterinas.

A inserção do sêmen

O procedimento de Inseminação Artificial é rápido e indolor. A mulher deve se posicionar da mesma forma que em um exame ginecológico. Meio mililitro do sêmen processado é colocado na cavidade uterina com um fino cateter.
Após a Inseminação Artificial, o médico mantém o colo uterino fechado com o próprio espéculo vaginal por alguns minutos. Isso reduz a quantidade de espermatozoides que saem do colo para a vagina. É aconselhável que a mulher permaneça deitada por 15 a 20 minutos. Durante este tempo, o ideal é alcançar o relaxamento, seja com a presença de seu parceiro ou de um amigo.

As taxas de gestação da Inseminação Artificial giram em torno de 12 a 20% por ciclo. Quando se faz duas ou mais tentativas sem sucesso, é interessante pensar em outros tratamentos, como a Fertilização in vitro (FIV). Talvez seu caso pareça impossível de solucionar, mas um médico especialista em infertilidade pode contribuir sugerindo a opção mais indicada.

Você tem dúvidas sobre a Inseminação Artificial ou outros procedimentos? Deixe sua pergunta nos comentários ou entre em contato conosco.