Tempo de Leitura: 2 minutos

Muito se fala sobre como o estilo de vida durante a gravidez pode impactar na saúde do bebê, mas quase nada é dito sobre os efeitos que as escolhas que fazemos antes de engravidar podem exercer em nossa fertilidade. Por mais incrível que pareça, está comprovado que a forma como levamos nosso dia a dia pode afetar concretamente as chances de gravidez. Veja o que dizem Nicole Noyes e Zev Rosenwaks, especialistas em infertilidade e medicina reprodutiva, sobre mitos e fatos de engravidar.

1. Idade importa

Verdade. Esse deve ser o fator que mais afeta a fertilidade. Os problemas de fertilidade aumentaram depois que as famílias passaram a ter filhos mais tarde, pois as mulheres possuem uma reserva de óvulos que diminui consideravelmente com o envelhecimento. A fertilidade feminina cai bastante após os 35 anos e, principalmente, após os 37 anos de idade.

2. Fumar é permitido, mas você deve parar depois de engravidar

Falso. Pesquisas indicam que fumar cigarros – mesmo passivamente – reduz a fertilidade. Se você está pensando em engravidar, pare de fumar. Se for necessário, procure um médico para auxiliá-la.

3. Alimentos afetam a fertilidade

Falso. Há crenças de que o consumo de mais (ou menos) soja e inhame pode afetar a fertilidade. Mas há poucas evidências de que a ingestão de alimentos específicos causa algum efeito nesse sentido. Alguns trabalhos mostraram que a ingestão excessiva de carboidratos (doces, massas, arroz, batata etc) pode prejudicar os resultados de Fertilização in vitro. Por outro lado, dietas ricas em proteínas poderiam ser benéficas. Contudo, não há evidência suficiente que suporte essas recomendações.

4. O álcool aumenta as chances de gravidez

Falso, até certo ponto. Consumo excessivo de álcool comprovadamente diminui a fertilidade feminina. No entanto, pessoas sob os efeitos do álcool ficam com a libido mais aflorada e com personalidade menos retraída, o que aumenta as possibilidades de relações sexuais. O que, consequentemente, pode colaborar com o aumento das chances de gravidez. Porém não há evidência científica que prove o aumento da fertilidade com a ingestão de álcool.

5. Não há nada errado com medicamentos prescritos

Falso. Algumas medicações como antidepressivos, anticonvulsivantes e neurolépticos podem aumentar o nível de prolactina, interferindo na ovulação normal, condição conhecida como hiperprolactinemia medicamentosa. Por isso se você utiliza algum destes medicamentos para controle de alguma doença, converse com seu médico e avise que está tentando engravidar. Ele avaliará se é possível modificar o medicamento.

6. Maconha compromete a fertilidade

Verdade. Qualquer tipo de droga pode afetar o ciclo menstrual, inclusive o uso esporádico de maconha. Drogas mais pesadas até suprimem o ciclo reprodutivo, pois afetam regiões cerebrais que controlam a liberação de hormônios femininos.

7. Produtos químicos comuns podem reduzir a fertilidade

Verdade. Um estudo feito na UCLA em 2009 comprovou que substâncias químicas como o PFC (compostos químicos perfluorados) liberados pelo Teflon podem diminuir a fertilidade tanto em mulheres quanto em homens, reduzindo a qualidade e quantidade dos espermatozoides. Mulheres com altos níveis de PFC no sangue tem o dobro de chance de ter infertilidade. O bisfenol-A (BPA) está associado a queda da motilidade espermática. Além disso, pesticidas podem reduzir a concentração de espermatozoides no sêmen, mas não se sabe ao certo qual é a dose mínima para causar essas alterações.

Já demos algumas dicas para engravidar. Você ainda tem dúvidas a respeito? Entre em contato conosco.